segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Artes

Lia Melia

Há mais vida além do orçamento




Interpreto a mudança, reconhecendo que em cada período, social, económico e político, assume-se uma herança do passado e estabelecem-se decisões científicas e políticas. Interpreto a mudança para Portugal no intensificar da produção de pensamento estratégico, e é também essencial para o País um reposicionamento institucional, de modo a acolher consistência política e estratégica, de longo prazo, em conformidade com o sistema de valores veiculado pelas instituições basilares do Estado.

Os nossos problemas estruturais têm raízes em várias dimensões da realidade e, o que poderá obliterar as condições em que esses problemas se declaram é a operacionalização ponderada de objetivos, que só terão efeito se prolongadamente e por diversas vias houver concerto de ações: educação, desporto e cultura - recursos, ciência e indústria - mobilização da participação cívica, voluntariado e juventude - prevenção, rastreios e práticas saudáveis... Importa desenvolver uma visão geral de convergência estratégica para os nossos objetivos, sem a qual soçobram os conceitos, as medidas e o esforço. 

As sociedades que demonstram melhores experiências de adaptação (e organização) são as que apresentam melhor capacidade de desenvolvimento, e os portugueses têm revelado uma adaptação excepcional aos desafios históricos, à democracia, às novas tecnologias. A organização, o humano concerto, é a melhor e mais poderosa tecnologia de que dispomos.

Manhattan (cena final) Have A Little Faith In People




«Tracey: Ouve, seis meses não é tanto tempo como isso. Nem toda a gente se deixa corromper. Tch.... Olha (dando uma risadinha), tens de ter um pouco de fé nas pessoas.

(Ike tem no rosto uma expressão irónica. Sorri.)»

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Imagens de Portugal



«(...) Lisbonne m'est apparue comme une sorte de paradis clair et triste;»

Antone de Saint-Exupéry, Oeuvres, «Lettre à  un Otage» (1940),  Paris, Gallimard, Pléiade, 1959, págs. 389

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

ExCertos


 «Vivemos numa democracia na qual, como em toda a Europa, existe uma expressão pluralista dos interesses públicos, nomeadamente mediante partidos políticos e movimentos cívicos. Um regime monárquico, ou mais simplesmente uma república dotada de um rei, é uma expressão do todo nacional reconhecido pelas diversas partes que confrontam políticas alternativas. D. Duarte de Bragança tem sido denodado na promoção de uma realeza democrática deste tipo e já adquiriu um lugar na história ao preparar-se a si e à Família Real para essa transição que a sociedade portuguesa cada vez mais exige.»

Mendo Henriques (Entrevista à Plataforma Monárquica)

Imagens de Portugal


 "Passeava havia meia hora pelo bosque, subindo sempre. Estava cada vez mais frio. O vento agitava de quando em quando os ramos mais altos das árvores, depois parava. Tinham passado a zona dos cedros que estendiam os braços por cima do bosque. Este tornava-se cada vez mais denso à medida que se aproximavam do cimo. Depois, num cotovelo do caminho, avistaram a cruz: Cruz Alta.
Avistava-se de todos os lados uma paisagem que se estendia até muito longe. Para o poente, no horizonte, das montanhas começavam a confundir os seus contornos. Mais perto distinguiam-se ainda vales e clareiras, inúmeros caminhos, campos lavrados vermelhos, castanhos, cor de casca de árvore.
- Vamos até lá cima - propôs Stefan.
Um velho, sentado sobre os degraus de pedra que levavam à cruz, afastou-se, saudando-os. Eles treparam, e lá em cima encostaram-se ao parapeito, dirigindo os olhos para Coimbra. Muito branco e sóbrio, o Convento de Santa Clara emergia, solitário, do oceano verde das colinas. O Mondego serpenteava através dos salgueiros chorões, dos choupos e dos plátanos e brilhava na distância.
Um grande pássaro voava por cima deles. Volteou por uns instantes, quase sem bater as asas, depois deixou-se deslizar na direção do vale.
- Às vezes, quando estou a sonhar - contou Ileana - parece-me que estou em qualquer parte, perto de si, sobre uma montanha muito alta e que olho para baixo. Como agora... E um sonho como este, gostaria de o sonhar para sempre."

Micea Eliade, Bosque Proibido, 1963, 351 (trad. Maria Leonor Buesco)

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

ExCerto


 Portugueses, 
Monárquicos…, Republicanos…, 
São apenas adjectivos. Portugueses é o que somos e como, agora mais do que nunca, nos devemos sentir! Na véspera do 1º dia de Dezembro de 1640, algumas dezenas de portugueses corajosos, reuniram-se para combinar os últimos detalhes da revolução que iria devolver a liberdade a Portugal ou, caso falhassem, os levaria ao degredo ou à decapitação. No momento presente, Portugal encontra-se sob dependência de credores e burocratas estrangeiros, devido à irresponsabilidade de governantes que endividaram o País, gastando o que tínhamos em investimentos que não produziram riqueza mas que permitiram ganhos a um número reduzido de privilegiados e que lançaram muitos para o desemprego e pobreza. 
(...)
Mas quero e creio que o ano que se avizinha seja um ano de esperança, um ano de renovada afirmação dos valores que a Família Real procura seguir. Valores de solidariedade. Valores de honestidade. Valores de integridade e nobreza de carácter. Valores de liberdade contra os opressores das nossas vidas e dos nossos bens. Valores que foram erguidos bem alto em 1640 e que hoje gritam por uma nova Aclamação.
Viva Portugal!

O Chefe da Casa Real Portuguesa, Dom Duarte, Duque de Bragança

30 de Novembro de 2013

Financial system requires a more comprehensive reform agenda

http://www.bloomberg.com/

 «(...) a sounder, more stable financial system requires a more comprehensive reform agenda.

Governor Daniel K. Tarullo, «Shadow Banking and Systemic Risk Regulation» @ The Americans for Financial Reform and Economic Policy Institute Conference, Washington, D.C., November 22, 2013

Artes


"Assim como a morte não a pinta senão quem morre,

nem pode ser pintada senão vendo quem está morrendo,

assim o trago que passam os que navegam de Portugal para a Índia,

não o pode contar senão quem o passa

nem o pode entender senão quem o vê passar."


D. Gonçalo da Silveira, 1557

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Imagens de Portugal



http://www.anteprojectos.com.pt/2013/02/08/nacional-biblioteca-municipal-de-setubal/

O Facto dos Argumentos


(...) [O facto de um terço das pessoas, nas sociedades ocidentais contemporâneas, terem mais de 60 anos, isso] é uma realidade nova, que nunca existiu, na história da humanidade (...), é uma realidade que impede que os governos possam admitir inflação (...). Essas pessoas não estão no mercado, não têm salários que possam subir para acompanhar a inflação. Portanto não têm tolerância a ela. E são pessoas que votam muito.
Paulo Moura in Público, 4 de Março 2012
 

(…) são os empregados os únicos que podem pagar esse Estado, sendo também os únicos a pagá-lo, de facto. Esta questão hoje é decisiva. (…) Celebrarei, com confiança o dia em que o emprego subir, não o dia em que o desemprego baixou (...) [por causa da emigração].
 Daniel Bessa in Expresso, 16 de Novembro 2013

Imagens de Portugal


- «Fui admitida. Podia ir para Roma ou para Estocolmo. Não sei porquê, escolhi Lisboa...»
- «É muito bonita, Lisboa», disse ele distraidamente.
(…)
Escolhera a sua habitação ao passear uma tarde de barco na baía de Cascais. Avistara ao longe algumas casas de pescadores construídas mesmo sobre os rochedos e contemplara-as sonhando... Uma delas, particularmente, tentara-a, com o seu terraço pintado de branco e azul. Uma vinha virgem, entrelaçada de campainhas, trepava até ao telhado. Nessa mesma noite fora vê-la. Bateu à porta com emoção. Uma mulher de idade abriu a porta e conduziu-a até ao terraço. A umas dezenas de metros mais abaixo estavam ancorados alguns barcos de recreio e embarcações à vela. Ouvia-se o suave bater das vagas que escorregavam por entre os rochedos. (…) O aluguer atingia quase metade do seu salário. «Paciência ! Alugo!» pensou ela.
 


Mircea Eliade, Bosque Proibido, 338 (trad.Maria Leonor Buescu)


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Shaking up



«Real world crises have a way of shaking up the intellectual foundations of policy disciplines. Elements of received wisdom are undermined, while certain heterodox or less mainstream views are seen as more valid or important than had been widely recognized.»

Daniel K. Tarullo @ Yale Law School, Conference on Challenges in Global Financial Services, New Haven, Connecticut, September 20, 2013.

Inércias, confortos, pretextos, diferenças



"(...) os tempos não estão para inércias nem para confortos, nem para encontrar pretextos do passado, ou diferenças no futuro, para não se lutar, não pelas mesmas coisas, mas contra as mesmas coisas. 

JPP in abrupto

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Ismos




«O determinismo histórico é errado, pois apresenta a história como um tempo finito cuja finalidade é previsível, cuja essência é determinável, cujo sentido é exterior à consciência e cujo sujeito é a humanidade como ente coletivo.»

Mendo Henriques e Nazaré Barros in Olá, Consciência! Uma Viagem pela Filosofia, 244

Patrimónios

 

(...) a comunidade é coisa pública e não posse privada. Assim sucedeu com as garantias, magnas cartas, cortes, liberdades e forais que entraram no património dos povos ocidentais na idade média. Com a entrada na modernidade, os direitos individuais e sociais começaram a ser constitucionalizados e garantidos por órgãos de poder independentes nas revoluções liberais, a começar pela revolução francesa.

Mendo Henriques e Nazaré Barros in Olá, Consciência!, Uma Viagem pela Filosofia, 269

Pensamentos


(...) history is the equivalent of the scientist's laboratory.
 

Roger Hausheer, «Introduction» , Isaiah Berlin, The Proper Study of Mankind. An Anthology of Essays, Farras, Straus and Giroux Ed., NY, 1998, xxxiii.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Artes

Marítimas águas cavalgando


Celeste e medonha arquitetura,
Pesada, enorme, inquieta,
Irado vento, escuras nuvens,
Encapelado o rouco mar
Em mil serras é estendido.

Vales abissais sulcando,
As marítimas águas cavalgando,
Essa massa inconstante, excessiva
A longa forte e escura onda,
Com escuma branca a barca vai cortando.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Artes


Para a explicitação do bem comum




A legitimidade da representação do todo nacional deve situar-se idealmente num plano mais profundo que o da facção e o da ambição. A resposta a esta procura, atestada por muitos séculos, comprovados os homens, é a hereditariedade. Além destes aspetos, soma-se também a preparação da pessoa do Rei para o desempenho de suas funções. Três das características fundamentais, intrínsecas e exclusivas do regime monárquico para a explicitação do bem comum.

sábado, 2 de novembro de 2013

Há política além do espaço de confronto


 O cenário de transformação económica formulado para Portugal até ao horizonte do primeiro quartel deste século implica-se intensamente na qualificação das equipas de gestão, na transferência de tecnologia que está disponível nos centros de investigação para as indústrias e serviços e, não menos importante, numa agenda política dirigida para o incremento dos índices da qualidade de vida, isto é, elevar os níveis de educação, de prevenção da saúde, de empregabilidade, de participação cívica, de realização profissional, de iniciativas empresariais qualificadas. Contudo, tal agenda só ganha pleno sentido numa configuração político-institucional que veicule a afirmação de consensos democráticos, distinguindo o que é essencial e o que é supletivo, numa visão política mais longa, mais eficaz e abrangente. Há política além do espaço de confronto das representações.

Democracia! Sem adjetivos.

NY Times

A democracia apresenta-se por diferentes formas nas várias nações. Pode ser à inglesa ou à holandesa. Mas a democracia não é republicana ou monárquica. Todavia, o sistema político, com uma instituição apartidária, representativa da continuidade histórica e do Estado, com uma mesa para a conversação e consenso democrático sem a imposição dos ciclos eleitorais, podem dar frutos as políticas, porque essa instância expressa uma perspectiva com alcance mais largo do que a crise. E este há-de ser, a meu ver, em Portugal, um dos principais elementos decisivos de resolução desta crise, pois se dispõe a olhar além dela.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Tese V

 
Manuel Botelho

 
Temos de dispor na sociedade portuguesa uma instituição política cuja função de representação se não confunda com objetivos eleitorais. Importa também intensificar o investimento na produção de pensamento estratégico, para a qualidade e a regulação estratégica, para monitorização das políticas e para ativar decisões. Sem esta convergência, institucional, política e estratégica, fica o futuro condenado a ser uma repetição, com pequenas variantes, do que foi o passado recente.

sábado, 26 de outubro de 2013

Artes


Nós, Gregos, acreditamos no perigo da solidão.
As paixões intensas tornam-se monstros 
no negrume da consciência.
Mas se as partilhamos com amigos queridos,
humanizam-se e podemos então suportá-las.
Porque não convences Medeia a sair da escuridão
para junto de nós, antes que o seu coração rebente?

Eurípedes, Medeia

Babel



«A torre de Babel não foi destruída por inimigos (...). A obra parou por um só e magno problema: a impossibilidade de comunicar. Tudo se dividiu e desmobilizou. Deixou de haver propósito comum.»


Mendo Henriques e Nazaré Barros in Olá, Consciência! (p.220)



sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ortodoxias I - Se fizermos as mesmas coisas não poderemos esperar resultados diferentes



Se há algo essencial no nosso modo de vida democrático é a nossa capacidade de inventar o amanhã, nas artes, nas ciências e nas políticas. Nem tudo podemos ou devemos tudo prescrever em democracia.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Da representação do Estado




A forma republicana da representação do Estado tem sido defendida como o modo singular do modelo democrático. Todavia, historicamente e no presente, tal não corresponde à realidade, a monarquia constitucional foi mais abrangente, mais representativa, mais tolerante. Já no século XX lembremos Wiston Churchil, monárquico, dos que com mais clareza, valor e sacrifício defendeu a democracia.

Democracia Real Portugal Real


(...) um rei é uma expressão do todo nacional reconhecido pelas diversas partes que confrontam políticas alternativas.

Mendo Castro Henriques

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Trabalho em progresso





(...) a dar à manivela da vida (...)


Almada Negreiros, Novembro, 1939 in 'Poemas', Assírio e Alvim 2001, 182

domingo, 13 de outubro de 2013

Liberdade, soberania, identidade, continuidade, pluralidade, coesão

A função de representação do todo nacional tem uma vocação identitária, evidencia a liberdade  política, a soberania, a continuidade histórica,   a pluralidade cultural e a coesão social.
Fica demonstrado, com estrondo, que a história dos portugueses requer um representante que permanece no próprio tempo geracional das pessoas e neutral relativamente aos partidos e ao poder económico.

Democrático


《(...) não há tabus em Democracia. Nem deve haver tabus sobre esta matéria [a questão monárquica].》

Manuel Alegre,  2006, na apresentação do livro "D.Duarte e a Democracia"

sábado, 12 de outubro de 2013

Todos iguais todos diferentes e uma identidade simbolizada no rei

 


Nem todos os órgãos de soberania da democracia     são sufragados, assim é o caso do poder judicial e do executivo. Já o poder legislativo, local e a representação do Estado são hoje sufragados. Mas, se as representações da assembleia legislativa e dos órgãos do poder local são efetivamente abrangentes, já a representação de Estado, contraditoriamente, tem uma representatividade menor e surge como um divisor. O resultado desta situação para a democracia, sabemos à esquerda e à direita, tem sido uma adição da conflitualidade.

Frases




(...) O coração esforçado  de poucas coisas se espanta.

Bernardim Ribeiro,  Écloga I

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Teses IV


 Os ciclos económicos e os ciclos políticos não se ligam necessariamente a ciclos eleitorais. Advogo, pois, que a representação do todo nacional e da estabilidade política, dos objetivos permanentes e comuns à democracia e a sua continuidade estratégica, podem estabelecer-se somente com um representante do Estado prolongado no tempo, obviamente, na condição deste ser apartidário. A nossa democracia beneficia, estruturalmente, da Instituição Real.

Mediações

Sá de Miranda
 

Thomas Reid



«Every man feels that perception gives him an invincible belief of the existence of that which he perceives; and that this belief is not the effect of reasoning, but the immediate consequence of perception.»

Marinha do Tejo


 

A Associação Naval de Lisboa (fundada em 1856 como Real Associação Naval, é o clube náutico mais antigo de Portugal e da Península Ibérica) passou a integrar o elenco dos Centros e Associações Náuticas que vai concretizar o calendário em 2013.



terça-feira, 8 de outubro de 2013

(Muito) mais compatível





«(...) nos últimos anos tenho vindo a descobrir os encantos da monarquia constitucional, ao ponto de hoje a considerar, de longe, a forma de estado mais compatível com o parlamentarismo e com a democracia liberal (...).» 

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Member of President Obama’s Economic Recovery Advisory Board

«Education (...) must be broadly defined to include moral and ethical behaviors and good decisionmaking. There is plenty of evidence that such behaviors pay an ample reward to the individuals who make them and, unfortunately, the absence of such behaviors extracts a cost, potentially from all of us.»
Roger W. Ferguson Jr., Economics and Ethical Behaviors, Sidwell Friends School, Washington D.C., May 22, 2004.

A modernidade não originou nem uma civilização única nem um só padrão institucional




A expansão ocidental, nascida em Portugal e depois alargada pela demais nações europeias, desenvolveu novos sistemas institucionais e novos quadros de referência simbólicos. Surgiram sistemas económicos, políticos e ideológicos, multicêntricos e heterogéneos e cada sistema gerou a sua própria dinâmica. (...) A modernidade expandiu-se por todo o mundo, mas não originou uma civilização única nem um só padrão institucional.

Mendo Henriques e Nazaré Barros in Olá, Consciência!  (222-223)


sábado, 5 de outubro de 2013

Uma questão ao republicanismo



Desde quando todos os cidadãos “livres e iguais em direitos” conseguem, por exemplo, estar ao mesmo nível numa eleição presidencial?

David Garcia

Economia desunida


A disparidade das taxas de juro no empréstimo a sociedades não financeiras na UE continua a ser o assunto mais importante para considerar o crescimento económico.

5 de Outubro de 1143



sexta-feira, 4 de outubro de 2013

O melhor de vários modelos



O ser humano é tão criativo como adaptativo e normativo. Acumulou e transmitiu saber com que pôde transformar o meio, fazer instrumentos e organizando-se. Mas tradição e progresso estão sempre relacionados. Cada geração altera e continua práticas sociais, dinâmica política, o modo de avaliar as circunstâncias. Diferentes são os modos de comunicação e de interação, mas continuam as estruturas da relação e de realização humana, em comunidades horizontais e em sociedades verticais. Considero, contudo, que a organização das sociedades é a sua melhor tecnologia. E deste ponto de vista penso que estamos numa época em que é possível relacionar o melhor dos vários modelos já entretanto experimentados.
NY Times

Mais Comunidade


O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, afirmou hoje que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é incapaz de ir além de questões como a história ou a língua, reclamando um "cariz mais económico" para a organização. (...) A globalização trouxe desafios maiores e o caminho é agora entrar no "mercado e no comércio internacional". Timor-Leste vai assumir, pela primeira vez, em Julho do próximo ano a presidência rotativa da CPLP, durante a cimeira da organização que vai decorrer em Díli.
Para o novo mandato, Xanana quer dar um "cariz económico" à organização: "Queremos mudar a face da CPLP para uma comunidade de países com investimentos estratégicos, aproveitando o 'know-how' de um país, as necessidades de outro e aproveitando a capacidade financeira de outro".