quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O problema Indústria



«Nos últimos 10 anos, concluiu-se que a tecnologia muda a sociedade e até a governabilidade, mas pode não ter impacto económico direto. A produtividade é que aumenta a riqueza a médio e longo prazo, e há tecnologia de impacto social que não a cria . Depois de 10 anos de redes sociais, ninguém diz que a nossa civilização está mais rica por causa do Facebook. O problema não é faltar dinheiro ao estado social, mas ter sido pensado para uma sociedade produto da Revolução Industrial.»







Com pouca atividade industrial o emprego torna-se muito mais volátil. O País esgotou-se no projeto de entrar na União Europeia e na moeda única. Não só temos de educar de forma mais elástica, mas também integrarmo-nos em áreas de crescimento potencialmente globais (nos produtos farmacêuticos, atividades culturais, produtos alimentares – incluindo a piscicultura e outras atividades relacionadas com o mar – o nosso grande património).



Se o pastel de nata já é exportado congelado, nós, que temos a mais variada e rica doçaria da europa, temos de avançar ainda mais neste sentido. A miríade de empresas a confecionar produtos associados com desenho artístico ou com um perfil de alta qualidade no setor alimentar também captam a potencialidade de internacionalização, porém, na maioria dos casos, sem capacidade de alterar muito significativamente a sua escala de produção, devido à exigência de qualidade manufatureira ou à escassez de capital para obviar uma grande comercialização e produção.

sábado, 26 de dezembro de 2015

O problema Capital



Os problemas andam sempre emparelhados. Duas forças moldam as perspetivas a médio prazo afetando negativamente a qualidade de vida: A debilidade dos bancos e a elevada dívida dos países.

Todavia, o crescimento potencial das economias mais abertas (e avançadas em termos de sofisticação) já estava diminuindo antes da crise.

Trata-se de elaborar uma mudança de paradigma económico, para um desenvolvimento sustentável pela sofisticação (ciências, mar, industrialização, mobilidade elétrica - com funções capazes de se aplicarem transversalmente a todos os níveis de instrução. a toda a população em desemprego) pelo aumento do potencial produtivo endógeno relativo a cada cidade e pelo aumento da capacidade de comunicação com o exterior.

Enquanto isto não sucede, e as políticas variam sob o mesmo e atual paradigma da abertura e diversificação (que se não exclui do próximo), o envelhecimento (com o consequente esforço solidário) e o débil aumento da produtividade continuam atuando como pesos que dificultam um crescimento sustentado.

Felizmente para Portugal, relativamente à produtividade, há uma margem de crescimento superior à média europeia, enquanto que, como os outros países da zona euro, duplicou o PIB em vinte anos (1995-2015).

ExCertos




«Com a monarquia, ao contrário da república, os projetos de longo curso têm continuidade. Não se começa uma obra, no governo monárquico, na qual se investirá milhões, para deixá-la inacabada; não se constrói uma estrada (...) para depois abandoná-la (…).

Faça uma pesquisa, meu caro leitor, verifique quais são os países mais prósperos do mundo e você se surpreenderá: entre as quinze mais ricas nações do mundo, ao menos dez são monarquistas.»

Jorge L. Oliveira

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Estação



ExCertos


«As forças da mudança tecnológica e da globalização estão a conduzir ao esmagamento da classe média e ao aumento das desigualdades. É uma tendência que está a acontecer em todo o mundo. Para a economia não é uma boa notícia. Mas para a democracia também não


O melhor para viver há 12 anos consecutivos é...monárquico


 Há 12 anos consecutivos que a Noruega é eleita o melhor país para viver, o país cimeia o ranking do Relatório de Desenvolvimento Humano (vulgo qualidade de vida) em 188 nações – para vossa referência Portugal ocupa o 43º lugar. Aqui ficam testemunhos de Vasco Pinhol, um português que se mudou há quatro anos para lá. 

 O pacto social faz com que se entrega ao Estado uma fatia dos ganhos para receber um pacote de cidadania (educação, saúde, segurança, justiça) continua aqui vivo e de boa saúde. Por isso, pagam-se muito menos impostos do que no resto da Europa – se fizermos as contas ao rácio entre dinheiro entregue versus cidadania recebida. Trabalha-se de forma produtiva. Todos os noruegueses falam bem inglês e/ou outra língua estrangeira. Tem uma boa distribuição da população pelo território. Independentemente da distância a que se esteja de Oslo, a capital, o nível de vida e acesso a infraestruturas e serviços não vê grandes alterações, toda a gente tem internet em todo o lado e os meios sociais como Facebook e Instagram são utilizados inclusive como ferramenta de trabalho. 

A paz social, esse valor tão raro e precioso, é praticamente absoluta. Todos têm mais ou menos o mesmo poder de compra, pelo que não se sente qualquer insegurança em deixar as portas, os carros, as vidas, destrancadas. Esta paz social coabita com outro valor que desapareceu das nossas vidas portuguesas: tempo disponível. A partir das quatro da tarde acabou-se o trabalho em praticamente todas as empresas da Noruega. A partir das cinco da tarde todas as lojas fecham. A partir das oito da noite nenhum centro comercial está aberto. Aos domingos está tudo fechado. Como tenho ouvido muitas vezes dizer a paz social e o tempo disponível são os luxos mais caros do planeta no século XXI.
A igualdade de género e de oportunidades, embora ainda longe de perfeita, está décadas e décadas à frente da que se vive no restante mundo civilizado. Tem lacunas e falhas, como todos os países e todas as culturas – mas quando olho para a lista agora publicada pelas Nações Unidas, que a coloca no primeiro lugar mundial em termos de qualidade de vida, a única coisa que me ocorre é: “pois é.”
                                                                      Da Visão

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Apontamento (Educação)

Bill Varie/Corbis
 «Continually changing scenes can keep a child (or adult) riveted to a television screen for hours. Why are fast-changing images in a video game or music video so intensely pleasurable? In "Perceptual Pleasure and the Brain," Irving Biederman and Edward A. Vessel propose that the human brain has evolved a craving for information that can be satisfied through continual visual stimulation. Information from the eye speeds along pathways in the brain that are rich in opioid receptors—the same pleasure-modulating molecular receptors that are targeted by opiate drugs—ultimately reaching so-called association areas, where memories are elicited. A phenomenon called competitive learning can explain why our craving for information sends us in search of visual novelty and richly interpretable patterns. Using evidence from brain-imaging studies, Biederman and Vessel suggest that boredom sets in when people are presented inputs at a rate slower than their rate of comprehension.»
E ficamos preocupados quando, questionando os estudantes acerca da temática que os preocupa, como resposta não obtemos referências relativamente à sua localidade, à sua própria situação existencial, à sua direta interação, mas a tudo o que vem pelos meios de comunicação de massa.
                                                       P.F.C. Junho 2014

domingo, 13 de dezembro de 2015

Imagens de Portugal num 13 de Dezembro

Apontamento (Das Críticas ao Regime Monárquico)


(s.d.), "nova Inquisição ou o Directório Republicano", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_147781 (2015-12-13)

As atuais críticas ao regime monárquico elaboraram-se sobretudo no século XIX e estão completamente desfasadas.


Mais, tiveram essas críticas um cenário utópico que se materializou em regimes que produziram os maiores morticínios sobre civis, as maiores crueldades e horrores que nunca julgaríamos ser possíveis, sem memória na história.

O ímpeto revolucionário que foi abolindo as monarquias europeias eclodiu com muito sangue, em força indisciplinada, bruta e sanguinolenta, e acabou por impor em consequência as ditaduras mais brutais que quaisquer outras jamais conhecidas.

Apontamento (Do Regime Monárquico)




«No século XVIII e XIX, a legitimidade democrática se substitui à legitimidade monárquica sem a eliminar totalmente, a igualdade dos cidadãos apagou pouco a pouco a distinção dos "Estados" (Nobreza, clero e povo). As ideias (...) soberania do povo, exercício da autoridade conforme a regras, assembleias eleitas e soberanas, supressão de diferenças de estatutos pessoais, foram realizadas em Inglaterra, por vezes mais cedo do que em França, sem que o povo, em sobressalto de Prometeu, sacudisse as suas correntes. A "democratização" foi ali (em Inglaterra) a obra de partidos rivais

Raymond Aron, in O ópio dos intelectuais

sábado, 12 de dezembro de 2015

sábado, 5 de dezembro de 2015

Mensagem 1º Dezembro 2015 de S.A.R. Dom Duarte, Duque de Bragança desde Díli

Portugueses,

Este 1 de Dezembro de 2015 é especialmente importante para Portugal. Abolido como feriado, ele renasceu com ainda maior força na consciência dos portugueses, faço votos para que em breve seja restabelecido como dia de festa, como nos foi prometido...
Os feriados nacionais são o pulmão das nações que respiram ao ritmo desses grandes eventos anuais que nos fazem pensar em tudo o que nós, Portugueses, construímos em comum.
Neste momento de crise europeia e mundial, neste momento de rasgar de novos rumos políticos no nosso país, venho apelar para afastarmos tudo o que nos separa e nos enfraquece.
Neste momento muito importante da nossa História, apelo a que evitemos as fracturas sociais que possam existir.
Estamos numa Europa que continua a sentir os efeitos da grande recessão económica e continua a braços com problemas sociais. Portugal enfrenta desafios que nos devem mobilizar a todos. O desafio da retoma económica, que permita combater o endividamento do Estado, das famílias e das empresas, bem como o desemprego e a pobreza, é um dos mais importantes.
É um tempo de união em que há que potenciar o que nos une e saber superar o que nos separa.
É um tempo em que todos os Portugueses têm de pôr acima das circunstâncias do presente os superiores interesses da Pátria.
Nesse sentido, faço votos de que o novo Governo desempenhe com sucesso a missão a que se propôs.
Disse recentemente que seria positivo para a Democracia Portuguesa que partidos que estiveram quase sempre na oposição se sintam responsabilizados a encarar os problemas políticos e sociais com realismo, mas sem utopias e sem renunciar aos seus ideais.
Num mundo global em que as comunicações não têm fronteiras, os valores da estabilidade e da competitividade assumem uma importância fundamental no reforço das condições para que Portugal se afirme como uma Nação aberta ao progresso e ao desenvolvimento. É também neste quadro que a Educação e a Cultura desempenham um papel agregador que nos deve envolver a todos. Fernando Pessoa imortalizou a frase “a língua portuguesa é a minha pátria” e Virgílio Ferreira disse um dia “da minha língua vê-se o mar”. A língua portuguesa deverá continuar a ser um factor de união dos Países Lusófonos. Por isso quero sugerir duas iniciativas que nos possam aproximar, fortalecendo essa relação de povos irmãos que querem enfrentar juntos os desafios do futuro.
Tendo em conta que as novas gerações lusófonas já não têm a ligação que existia no tempo dos seus pais e avós, promovidas por uma vivência comum sob a mesma administração e tendo presente que os jovens dos Países da CPLP anseiam e lutam para se prepararem para um futuro melhor, que nem sempre é claro e previsível, sugiro a criação de um programa semelhante ao "Erasmus” europeu. Estou certo que um programa António Vieira para aproximar os jovens oriundos dos Países da CPLP encontrará acolhimento junto das respectivas entidades responsáveis.
Em segundo lugar, tendo presente os Portugueses espalhados pelo Mundo, que cultivam um amor exemplar à Pátria, sugiro a introdução do voto electrónico e do voto electrónico presencial, nomeadamente para os eleitores recenseados no estrangeiro. Essa iniciativa promoveria a participação activa dos cidadãos na vida política e iria diminuir a alta percentagem de pessoas às quais não são proporcionadas condições de voto.
Encontro-me neste momento em Díli a convite do Estado timorense para participar nas comemorações dos 500 anos do começo da convivência entre timorenses e portugueses. Como representante dos Reis de Portugal, que mais tarde estabeleceram acordos de união política com os Reis timorenses, não poderia faltar a um acontecimento de tão grande significado. A minha ligação a Timor começou há muitos anos, mas após a honrosa decisão do Parlamento timorense, que decidiu por unanimidade conceder-me a sua nacionalidade, reforcei a obrigação de dar o meu apoio a esta Nação.
Nesta viagem ao Oriente, convivi também com os habitantes da aldeia portuguesa de Malaca e aos quais a Fundação Dom Manuel II ofereceu um belo sino. Eles mantêm viva a sua fé e cultura e espero que com a ajuda de Portugal consigam ultrapassar as ameaças de deslocalização...
Visitei ainda Pequim e Xangai a convite de instituições chinesas com o objectivo de estudar novas formas de cooperação entre ambas as nações, com pacíficas e proveitosas relações desde há 500 anos. É um caso único na história daquele país.
A Europa vive hoje graves problemas sociais, entre os quais o gravíssimo drama dos refugiados da guerra na Síria e Iraque e a vaga de milhões de pessoas, asiáticos e africanos, que acorrem à Europa para tentar escapar à insegurança e à pobreza, frequentemente correndo graves riscos.
Apelo à União Europeia, às Nações Unidas e às Igrejas que não se poupem a esforços no aprofundamento de soluções para a crise dos refugiados. Mas apelo também a que ajudem as pessoas e comunidades que ficaram a defender as terras onde vivem.
Países de acolhimento como o Líbano, Turquia e Jordânia receberam mais de quatro milhões de sírios com admirável generosidade. O Ocidente tem aqui uma ajuda a prestar, apoiando a criação de actividades produtivas que possam sustentar os refugiados.
Nestes momentos difíceis, Portugal e os portugueses têm dado magníficos exemplos de responsabilidade e de solidariedade social. Voluntários, pessoas anónimas, famílias, instituições, organizações e empresas, têm sido de exemplar generosidade e dedicação aos mais pobres e àqueles que enfrentam o drama do desemprego. São os verdadeiros heróis dos nossos tempos que merecem todo nosso apoio e carinho.
A um ano e meio do centenário das aparições de Santa Maria, Rainha de Portugal, quero lembrar que Fátima representa também os valores da solidariedade que nos devem unir a todos nesta nossa Nação que é também Dela.
Num momento de fortes mudanças e incertezas, sigo convicto que a Instituição Real será o melhor baluarte de defesa da unidade do povo português. Minha mulher Isabel e eu estamos certos de que os nossos filhos Afonso, Francisca e Dinis saberão estar sempre prontos para servir a nossa Pátria, seja quais forem os cargos que venham a desempenhar. Assim Deus os ajude!
    
Díli, 1 de Dezembro de 2015
Via Mendo Castro Henriques em Monárquicos Portugueses Unidos