sábado, 20 de maio de 2017

Frases


«A Justiça é o fiel da igualdade»
apud Francisco R. Lobo in Corte na Aldeia, diál.VII

Imagens de Portugal



“Para festas Milão, para amores Lusitânia” 
                                 M. Cervantes

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Imagens de Portugal


Ce fait historique n'était pas entièrement inconnu, mais j'ose affirmer que de nos jours personne se s'en était clairement rendu compte. J'en ai fait d'ailleurs l'essai et j'ai posé la question àdes collègues et à des amis, en la précisant et en léxplicant à peu prés ainsi: "Selon vous, a-t-il existé une langue mondiale avant le français? Cést-a-dire une langue par laquelle on pouvait se faire comprendre un peu partout en Afrique, en Asie et en Amérique, et pas seulement dans quelques colonies?" Eh bien, personne nést arrivé au portugais; quelques-uns ontmentioné l'éspagnol; peut-être ma définition de "langue employée dans la plus grande parie du monde" a-t-elle confondu mes interlocuteurs. Et quand même, comme je vous le montrerai, vous avons des preuves que le portugais - et non l'espagnol - a été la langue de communication par excelence aussi bien aux Antilles que sur les côtes de la Chine par exemple - la "língua franca portugaise", comme l'appelait dans la 1re moitié du XVIIIe siècle le voyageur allemand Otto Mentzel, pour l'opposer à la língua franca méditerranéenne. Mentzel avait passé une huitaine d'anées au Cap, probablement de 1733 à 1741; c´etait le grand adversaire de Peter Kolbe, son compatriote et un autre témoin important. Mais il sont d'accord sur l'ubiquité du portugais dans la colonie du Cap et aux Indes Orientales.
[Na continuação deste estudo, os exemplos citados  provam a presença do português nos lugares mais remotos e distantes do globo, língua de comunicação mesmo entre os vários estrangeiros e em locais de tão dispersas regiões.]

M. F. Valkhoff in «L'importance du portugais comme langue mondiale avant le français», Miscelânea Luso-Africana, Colectânea de Estudos Coligidos, JICU, Lisboa, 1975, p.74-75 e sgs.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Frases


«[Além de] (...) Macedónia e Roma, poucas vezes um povo partindo de tão pouco alcançou (...) um tão claro direito a ser tido por "grande".» 
Edurado Lourenço, O Labirínto da Saudade, Círculo de Leitores, Lisboa, 1988, pág. 17. 

domingo, 14 de maio de 2017

Artes


Allfons


Sucedem as vagas arfando arredondadas
Aparecidas, entornadas e dadas,
Nunca cessando de revolver
Misteriosa levedura no forno

Terrível estremece a tormenta
Geme e rompe a existência,
Que visão comprometedora
O espesso céu em que o mundo ferve.
               
                            PC


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Haja Memória



«In this century of storm and tragedy, I contemplate with high satisfaction the constant factor of the interwoven and upward progress of our peoples. Our comradeship and our brotherhood in war were unexampled. 
We stood together, and because of that fact the free world now stands. Nor has our partnership any exclusive nature; the Atlantic community is a dream that can well be fulfilled to the detriment of none and to the enduring benefit and honour of the great democracies
                                                  W.Churchill

Pensando a estratégia portuária do País

António José Monteiro

É necessário despertar «(...) para as vantagens de implementar uma estratégia portuária adequada no quadro de uma economia (...) global. Orientado inicialmente pelo desígnio de “continentalização”, decorrente da necessidade de convergência e relacionamento com o espaço europeu, [o País] acabou aí por se descobrir periférico e, desse modo, frágil e sem escala. Oxalá ainda haja tempo de atenuar a nossa condição periférica, perspectivando-a no espaço atlântico onde recupera centralidade.»  
                                                                  in Jornal da Economia do Mar

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Evento


A Real Associação de Lisboa celebrará o seu XXVIII Aniversário no próximo dia 20 de Maio de 2017. Haverá uma visita ao renovado Palácio de Queluz, guiada pelo Senhor Professor Helder Carita. Segue-se um almoço em Sintra presidido por S.A.R. o Senhor Dom Duarte e um passeio no tradicional elétrico até à Praia das Maçãs.

As inscrições estão abertas até dia 15 de Maio directamente na nossa sede: Praça Luís de Camões, 46 2º Dto | 1200-243 Lisboa (de segunda-feira a quinta-feira, das 15:00 às 18:00), pelo endereço electrónico secretariado@reallisboa.pt ou pelo telefone: 213428115 no horário de atendimento. 

domingo, 30 de abril de 2017

Em Memória



Faleceu o Pe Joaquim Carreira das Neves, franciscano, um dos mais importantes estudiosos bíblicos em Portugal e no mundo. Apesar do seu conhecimento científico e erudição também conseguia comunicar com o grande público pela clareza com que abordou os assuntos. Tive o privilégio de assistir (sem ser oficialmente seu aluno) a algumas de suas aulas. A sua energia e profundidade, o seu espírito de detetive cientista, de exigência e elevação científica aplicada ao campo teológico, abriu entusiasmo aos que tinham interesse pelo espírito científico sem desmerecer a fé cristã.

Foi autor de diversas obras científicas e literárias. Entre os seus livros destaco “Jesus de Nazaré, Quem és tu?”, uma obra na qual a abordagem científica propicia a revelação teológica central ao cristianismo. Espero que esteja a ser traduzido em muitas línguas. É uma obra em que a  ciência Hermenêutica linguísta e cultural e a ciência Histórica entram em par para iluminar a teologia cristã, conferindo assim uma mensagem de universalidade - mesmo além do contexto cristão. Uma obra bem portuguesa com certeza! 

Bem haja Pe Carreira das Neves. Obrigado pelo seu contributo pessoal, cultural e humano!

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Poesia contra a corrupção




«(...) ó vós que as famas estimais,
Se quiserdes no mundo ser tamanhos,
Despertai já do sono do ócio ignavo,
Que o ânimo, de livre, faz escravo.
E ponde na cobiça um freio duro,
E na ambição também, que indignamente
Tomais mil vezes, e no torpe e escuro
Vício da tirania infame e urgente;
Porque essas honras vãs, esse ouro puro,
Verdadeiro valor não dão à gente:
Milhor é merecê-los sem os ter,
Que possuí-los sem os merecer.»

LVC, Lusíadas, IX, 92-93

quarta-feira, 29 de março de 2017

quarta-feira, 22 de março de 2017

Factos de Norte a Sul e de Este a Oeste

A tabela abaixo lista os países da OCDE por consumo anual de álcool puro, em litros, por pessoa com idade de 15 anos ou mais, como publicado no relatório 2013 OECD Health Data
PosiçãoPaísLitros per capita [3]Tamanho RelativoAno
1 Áustria12.2
 
2011
2 Estónia12
 
2011
3 França11.8
 
2011
4 Irlanda11.7
 
2011
5 República Checa11.5
 
2011
6 Hungria11.4
 
2011
6 Luxemburgo11.4
 
2011
8 Alemanha11.2
 
2011
9 Eslovénia10.6
 
2011
10 Dinamarca10.5
 
2011
11 Polónia10.3
 
2011
11 Portugal10.3
 
2011
11 Reino Unido10.3
 
2011
14 Eslováquia10.2
 
2011
15 Austrália10
 
2011
15 Suíça10
 
2011
17 Bélgica9.8
 
2011
17 Finlândia9.8
 
2011
17 Espanha9.8
 
2010
20 Nova Zelândia9.5
 
2011
21 Países Baixos9.2
 
2011
22 Coreia do Sul8.9
 
2011
23 Estados Unidos8.6
 
2011
24 Canadá8
 
2011
25 Chile7.9
 
2010
26 Grécia7.4
 
2011
27 Japão7.3
 
2011
27 Suécia7.3
 
2011
29 Noruega6.4
 
2011
30 Islândia6.3
 
2010
31 Itália6.1
 
2010
32 México5.1
 
2011
33 Israel2.6
 
2011
34 Turquia1.5
 
2011

terça-feira, 21 de março de 2017

O que não dizem os comentadores

Ponta da Madrugada - Açores

A Justiça em Portugal nunca foi tão longe, 
para melhor!



quarta-feira, 15 de março de 2017

Artes



Haver um mar de ferro e água pura,
um simples tom calado, um leme oculto,
é haver sempre um cheiro de maresia,
trazer um lastro breve à mala escura
onde se pousa e dorme agasalhado um vulto
de sal e alegria.

«Daniel na Cova dos Leões» in Retábulo das MatériasLisboa, Gótica, 2001 (1970)

Jogando xadrez com Voltaire



O estreito caminho agrícola serpenteia definido pelas extremas das propriedades. Ladeado de pedregulhos e tufos de várias herbáceas é uma via sem fim que recorta a paisagem. De passeio com o meu cão, enquanto prossigo ascendente o trajeto sulcado pelos trabalhos agrícolas e divisões de propriedade, ele faz círculos excêntricos a meu redor, saltando a murada baixa do caminho em corridas desenfreadas.

Uma dessas vias conduz-me por entre vinhedos já podados em março, mas desolados, ainda sem rebentos. Os paus cortados parecem sangrar, torturados e silentes, degolados. Todavia, a crueza técnica que perpetrou esta definição tem um mandato de renovação, de convicção e de normalidade. As vides aparecem agora tristes, torcidas e despidas, somente com minúsculas protuberâncias deixadas para que rebentem. Estão deixadas como mortas, mas para uma renovação certa como a primavera. A profusão abundante de folhagem e fruto é garantida, se cumpridos os trabalhos.