domingo, 31 de janeiro de 2016

Academic research on human behavior to the business of running a government


«The federal government found a clever way to make a little extra money last summer.
Some vendors who provide federal agencies with goods and services as varied as paper clips and translators were given a slightly different version of the form used to report rebates they owe the government.
The only difference: The signature box was at the beginning of the form rather than the end. The result: a rash of honesty. Companies using the new form acknowledged they owed an extra $1.59 million in rebates during the three-month experiment, apparently because promising to be truthful at the outset actually caused them to answer more truthfully.
The altered form is among the early successes of a year-old effort by the Obama administration to apply academic research on human behavior to the business of running a government. The idea is that a little science might help the government collect taxes, distribute benefit payments and even help people find jobs, get an education or save for retirement. (...)»

BA @ Twitter 



sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

De "A Arte de Continuar Português"



«A cultura universal não é, não pode ser, a totalidade da cultura humana, que não está ao alcance de nenhum sábio prodigioso ou de nenhum ultra-complexo computador.
O que existem, são estruturas culturais situadas, cuja especificidade se formou na prova do tempo pela aglutinação de um certo número de características unívocas.
Diversos pontos de aglutinação lhes conferem uma particular qualidade, entre outras estruturas culturais: fundamentalmente uma língua comum, uma história, a psicologia do seu povo, os seus mitos ou complexos, as suas tradições, os ideais inscritos no seu inconsciente colectivo.
Não é desejável que estas estruturas culturais sejam estáticas. Orgânicas, humanas, sociais, têm pois um crescimento e uma vida de relação. Têm, é bom que tenham sob pena de estiolarem, um dinamismo, que é feito por um lado de influências recibidas, mas o é por outro lado da sua própria criatividade, do seu próprio poder inventivo, do pleno exercício do seu intelecto activo.
A estrutura cultural portuguesa é próxima das estruturas de fundo judéo-cristão e heleno-romano, mas não é igual a elas, porque no tempo se autonomizou, tal como as línguas românicas se afastaram do latim cada uma pelos seus caminhos diferentes.
Como estrutura cultural autónoma, o seu dever não é o de imitação de estruturas culturais suas irmãs ou parentes próximas, antes é um dever de universalidade, isto é, de abrir as suas próprias vias para o Uno. É sendo portuguesa, isto é, desenvolvendo as suas próprias intuições, visões, ideais, descobertas, que ela pode ser universal.»

António Quadros, A Arte de Continuar Português, Lisboa, Edições do Templo, 1978, págs.223-224

Dia Internacional em Memória do Holocausto – Aprender com o Passado, Ensinar para o Futuro


Dia Internacional em Memória do Holocausto – Aprender com o Passado, Ensinar para o Futuro. Este webinar constitui uma iniciativa de evocação do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto que anualmente se comemora no dia 27 de janeiro, convidando as escolas a associar-se a esta evocação. Aborda o seu significado e atualidade, bem como a importância do seu ensino. Neste contexto, são apresentadas sugestões de acesso a informação atualizada e a novos recursos didáticos, como contributos de apoio ao ensino do Holocausto, tema obrigatório expresso nos programas e metas curriculares de diversas disciplinas do currículo dos ensinos básico e secundário, em especial na disciplina de História, no sentido de permitir aos nossos alunos uma aquisição de saberes significativos e o desenvolvimento de capacidades e atitudes de responsabilidade, de respeito e de tolerância no quadro dos Direitos Humanos. Owebinar apresenta, ainda, a Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto, destacando os seus objetivos, atividades desenvolvidas e projetos em curso.
Esther Mucznik
Esther Mucznik
É Vice-Presidente da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL) e fundadora, em 1994, da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos. Presidente e fundadora, em 2008, da Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto e membro da Comissão Nacional de Liberdade Religiosa. Estudiosa das questões judaicas, tem coordenado cursos e seminários sobre história e cultura judaica e publicado numerosos trabalhos sobre estas temáticas, entre os quais “Grácia Nasi, A judia portuguesa do século XVI que desafiou o seu próprio destino”, e “Portugueses no Holocausto”, ambos na editora Esfera dos Livros, respetivamente em 2010 e 2012. Foi também co-coordenadora do Dicionário do Judaísmo Português, publicado em 2009 pela Editorial Presença.
Ricardo Presumido
Ricardo Presumido
Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Pós-Graduado em História Contemporânea pela mesma Universidade. Membro do Núcleo de Investigação Histórica, Os Fazedores de Letras, participou nos projetos de investigação sobre Memória da Imprensa Estudantil Universitária e Dicionário do Centenário da Implantação da República. É professor de História do Ensino Básico e Secundário, Vice-Presidente e fundador, em 2008, da Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto e investigador nas temáticas da Segunda Guerra Mundial e Holocausto.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Do experiencialismo português (Poesia)




Andei d'aquém para além;
vira terras e lugares,
tudo seus avessos tem:
o que não espermentares
não cuides que o sabes bem;
e às vezes, quando cuidamos
que esprimentado o já temos,
à cabra-cega jogamos.

Sá de Miranda, «Écloga Basto» (excerto), in Poesias, Lisboa,1595

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Convergências


«(...) [O] estado liberal é o pressuposto não só histórico mas jurídico do estado democrático. Estado liberal e estado democrático são interdependentes em dois modos: na direção que vai do liberalismo à democracia, no sentido de que são necessárias certas liberdades para o exercício correto do poder democrático, e na direção oposta que vai da democracia ao liberalismo, no sentido de que é necessário o poder democrático para garantir a existência e a persistência das liberdades fundamentais. Em outras palavras: é pouco provável que um estado não liberal possa assegurar um correto funcionamento da democracia, e de outra parte é pouco provável que um estado não democrático seja capaz de garantir as liberdades fundamentais. A prova histórica desta interdependência está no fato de que estado liberal e estado democrático, quando caem, caem juntos.»

Norberto Bobbio, «Uma definição mínima de democracia» in O Futuro da Democracia. Uma Defesa das Regras do Jogo, 1984

«Europeans today have largely not endured war and absolute economic deprivation. With the dangers of demagoguery not embedded in their living memories, they are far more vulnerable to fear-mongering and false promises – illustrated in the growing influence of nationalist narratives and populist movements. Even worse, faced with an erosion of their voter base, many mainstream parties are playing catch-up with these destructive forces, engaging in EU-bashing of their own.»

Martin Schulz, Pulling Europe Back From The Brink, 21 January 2016 @ Social Europe

Poesia




Ondas das ondas, mais ondas
enchem o mar de saudade...

Se eu falar, não respondas,
deixa-me esta ansiedade!

Vai-se uma onda...
Porém,
não é igual à primeira
aquela outra, que vem
e não mais torna a voltar...

Saudade, és todo este mar!
Eu sou a praia da fronteira.


Armando Côrtes-Rodrigues, «Mar» in Planície Inquieta

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

O cidadão monárquico

Imagem de Plataforma de Cidadania Monárquica


   Será a relevância que atribuirmos à defesa da democracia, de uma  melhor democracia, para uma melhor sociedade e de para uma atividade política mais credível, que permitirá aos portugueses ultrapassar algumas convenções do republicanismo que enchem como trompas os ares. Também o absolutismo ou o imperialismo napoleónico incorporaram ideais igualitários visando uma cidadania consciente, mas os tempos desta nossa democracia republicana, herdeiros, é certo, daquelas ideias do século XVIII e XIX, estão a produzir muito aceleradamente a falência do sonho de justiça social, do projeto de vida e da credibilidade política.
   O nosso empenho é, para contrariar este plano inclinado, a monarquia constitucional, onde não tem lugar nem a ambição pessoal nem aspetos partidários na representação do Estado, mas a afirmação de uma independência de fato além de interesses particulares, a promoção de uma estratégica de longo prazo para os objetivos comuns à democracia, a voz dos mais pobres - que não estão representados em sindicatos e não têm voz. 
   Sendo que, na experiência de nossos dias, a monarquia constitucional é a mais avançada forma social e política presente na política europeia, quer na área social, cultural e económica.   PFC

sábado, 16 de janeiro de 2016

O futuro das sociedades e países europeus gira à volta de uma palavra - recomeçar



«A maior parte dos eleitorados europeus  e muitas das suas elites não têm a vontade necessária para desempenhar um papel estratégico verdadeiramente influentes no mundo. Estes eleitorados e elites até podem falar a linguagem de uma Europa intenacionalista mas não estão preparados para o que é preciso fazer. 
Se juntarmos a isto a falta de flexibilidade das sociedades, governos e instituições europeias perante a adversidade e a evolução da política internacional chegamos ao aniversário de hoje abraçados ao medo. Não é fácil, é verdade, mas podemos e devemos fazer bastante melhor. O futuro das sociedades e países europeus gira à volta de uma palavra - recomeçar.»

Miguel Monjardino, «Entre o Medo e o Futuro», Guerra e Paz in Expresso, 9 de Maio de 2009, Primeiro Caderno, pág 21

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

O Medo e o Futuro



«Num país com a nossa história, geografia, desigualdade, ignorância e pobreza, o futuro devia ganhar este jogo político sem a menor dificuldade. Devia mas não ganha. Passa-se o mesmo um pouco por toda a União Europeia. O medo está claramente a ganhar ao futuro.»

Miguel Monjardino, «Entre o Medo e o Futuro», Guerra e Paz in Expresso, 9 de Maio de 2009, Primeiro Caderno, pág 21

domingo, 10 de janeiro de 2016

ExCertos



«As democracias - qualquer que seja a sua forma - resistem melhor às pressões flutuantes que os regimes autoritários. A História não é um processo unidirecional. Desenvolve-se numa multitude de direções ao mesmo tempo. A estabilidade não é um fenómeno estático.»

William J. Burns in Steven Erlanger, «Afinal a História está longe de ter acabado», Courrier Internacional, Janeiro 2016, nº 239, pág.23

sábado, 9 de janeiro de 2016

Educação


O príncipe de Cambridge foi para a escola pela primeira vez e vai aprender de acordo com o método de Montessori, que sublinha a independência, a ordem e a liberdade. Uma estratégia com 100 anos. 
                                       Via http://observador.pt

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

A primeira e grande questão económica




«A grande questão que fica por resolver é a qualidade do capital  social, isto é, a emergência de actores-rede que sejam capazes de conciliar “ordem com inteligência e imaginação”(...)»
                                                               
                                                              António Covas in Público