quinta-feira, 30 de abril de 2015

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Leituras


«O impossível ideal de um mundo que teria reencontrado a sua unidade deve manter-se, no próprio seio da irremediável dispersão, como princípio regulador da investigação e ação humanas.»

Pierre Aubenque, Le Probème de l'Être chez Aristote, Essai sur la Problematique Aristotélicienne, PUF, 1962, p.402

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Conferência de Richard Zenith acerca de Fernando Pessoa na Livraria do Congresso EUA

TITLE: Fernando Pessoa: An Englishly Portuguese, Endlessly Multiple Poet 

SPEAKER: Richard Zenith 
EVENT DATE: 2015/03/04
RUNNING TIME: 64 minutes
TRANSCRIPT: View Transcript (link will open in a new window)




Para o ano é que é

«Caro leitor, desculpe, mas eu já escrevi isto. Quer continuar, se já leu isto? Já leu isto, já ouviu isto e provavelmente pensava que já tinha pago isto. Mas isto continua, ano após ano, isto a que chamam consolidação que não consolida, equilíbrio que não equilibra, ajustamento que não ajusta. A austeridade não arma crescimento nem desarma de nós. Mesmo o crescer é sempre a perder e de cada vez que anunciam que tem de ser é como nos mandassem à perda.
A perda é até mais de esperança do que de dinheiro. “A década perdida” é uma expressão errada, porque não é uma, são duas: entre 2001 e 2010, a economia portuguesa cresceu 0,8%. E de 2011 a 2020 vai crescer... uns miseráveis 0,2%. Somos o sétimo país com o crescimento mais lento do mundo.
Calma, este não é um texto contra este governo de direita nem contra o anterior governo de esquerda — sim, eu também já escrevi isso, uma e outra coisa, o de Sócrates pela loucura da dívida acelerada sem proveito coletivo, o de Passos pelo falhanço nas reformas que levassem à reconversão da economia. Se for contra o Governo, então este texto é contra o próximo. Porque se o próximo não souber mais do que isto, estamos perdidos; perdidos na alta austeridade e no baixo crescimento como se tivéssemos defeito de fabrico. Não temos. Mas ouve-se Passos dizer que não há nenhuma razão para Portugal não ser dos países mais competitivos do mundo (...).»

Pedro Santos Guerreiro, in Expresso, 18/04/2015

Leituras interessantes

http://pedrolains.typepad.com/


sábado, 18 de abril de 2015

Pensamento


«Our sense of reality is multiplied by this world of fiction and possibility»

apud A Ricoeur Reader. Reflection and Imagination, p.443

Poesia (Mar)



«Ó glória de saber que o Mar termina
onde minha coragem se acabar,
a ti dou quanto é mau!
Glória de por meus nervos garantir
O direito de escarnecer da Morte
quando a Morte julgar que me venceu!»

Sebastião da Gama

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Pensamento

Camilo Castelo Branco


De "A invenção do dia claro"

Há coisas inteiras feitas de duas metades e aonde não se pode cortar ao meio para separar essas duas metades.
Almada Negreiros, A Invenção do Dia Claro

quarta-feira, 15 de abril de 2015

A melhor escola


«(...) [Na escola] de amor se alcança com perfeição tudo o que pelas [escolas] do mundo variadamente se aprende e com muito decurso de anos se alcança: o aviso no falar, a discrição no escrever, a brandura  no conversar, a polícia no vestir, a graça no parecer, a cortesania no tratar, a liberalidade no despender, o esforço no pelejar, a largura no jogar, a humildade no servir e a pontualidade no merecer.»
                                           Francisco Rodrigues Lobo
  

terça-feira, 14 de abril de 2015

Evocação

 
«Um verdadeiro pensamento, podendo e devendo ser exposto de forma acessível e clara nunca é na verdade, simples. E ainda bem: se a complexidade suscita interpretação, sendo também certo que é interpretando chegamos à fronteira - com sorte ao território - do pensar.»

Intervenção do Senhor Arquiteto Gonçalo Ribeiro Teles





Livro do Armeiro Mor


Armas de D.Manuel I
in «Livro do Armeiro Mor»

Pelo Novo Acordo Ortográfico


Acerca da língua portuguesa: «Escreve-se da maneira que se lê, e assim se fala.»

Francisco Rodrigues Lobo, Corte na Aldeia, Diálogo I

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Soberania Popular


   A soberania popular é uma ideia que desde João das Regras (+1404) e após 1641 com César de Meneses e Velasco de Gouveia foi estabelecida em Portugal. Uma teoria da soberania popular pode ser encontrado na escola de Salamanca  (Francisco de Vitória (1483–1546) ou Francisco Suárez (1548–1617), que consideravam a soberania passando igualmente de Deus para todas as pessoas, não somente para os monarcas. Decorre também no pensamento político europeu da escola contratualista (de 1650 a 1750), representada por Thomas Hobbes (1588-1679), John Locke (1632-1704) e Jean-Jacques Rousseau (1712-1778). A doutrina central é a de que a legitimidade do governo ou da lei está baseada no consentimento dos governados. A soberania popular é assim uma doutrina básica da maioria das democracias. Todos postulavam que os indivíduos escolhem entrar em um contrato social contra os perigos e riscos de um estado natural.

Artes

Teresa Abreu Lima

Gaspar Pires de Rebelo
Fala amorosa de Policena a Sisnando

Poesia (Mar)



(…) os ventos despregados
Sopravam rijos na rama,
E os ceos turvos, annuviados,
O mar que incessante brama...
Tudo alli era braveza
De selvagem natureza.


Almeida Garrett, «Cascaes» (excerto) in Folhas Caídas, 1853

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Perdura a capacidade portuguesa para a mudança


No curso da nossa democracia contemporânea (desde 1974) as dificuldades por que passámos 
foram inúmeras, todavia penso que perdura a capacidade portuguesa para a mudança, 
hoje necessária para ultrapassar o atual estado de uma democracia: tortuosa, sem colaboração 
entre instituições e desacreditada.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Sou monárquico por rigorosa convicção intelectual


António Filipe Pimentel - Gestor Cultural - Museu de Arte Antiga

Observador: (...) No início de 2016 o país vai necessitar de que perfil na Presidência da República? Alguém que assegure pequenas cosméticas ou que proponha uma grande cirurgia ao regime?

António Filipe Pimentel: Neste ponto estou em completo embaraço: sou monárquico, por rigorosa convicção intelectual, pelo que a questão se me afigura de índole rigorosamente sofística (com a devida vénia, claro), partindo do princípio de que a figura do Presidente da República terá algum impacte na reforma da estrutura política, da qual mais ou menos diretamente emerge. O pobre senhor, qual ele seja, será sempre vítima das contradições internas do cargo/função: se interventor, contribuirá poderosamente para o aumento do clima de conflitualidade institucional; se colaborante apagar-se-á e será acusado pela oposição de conivência com o Governo e quebra da sua função arbitral (sobram os exemplos de uma e de outra, até com ritmos que configuram uma coreografia pré-determinada: colaborante no 1º mandato; interventivo e conflitual no último, sendo o caso presente atípico por alteração violenta das condições meteorológicas). (...)

quarta-feira, 8 de abril de 2015

ExCertos

Dom Manuel II – O Rei Amigo

Dom Manuell II e o Povo
Sinos a repicar alegremente, foguetes a estalar nos céus, mantas coloridas nas janelas, faixas e bandeiras nas árvores, tudo sinais com que as povoações com multidões compactas, entusiasticamente, por brios ter, acolhiam o Rei.
(...)
El-Rei Dom Manuel II de Portugal num interesse atento entregava constantemente um sorriso mostrando-se sempre o que era, pois já na sua «Doutrina ao Infante D. Luís», o douto humanista Lourenço de Cáceres Lhe recomendava “que se não aparte da afalibilidade nem dê pouca parte de si ao povo, pois que não há erro mais nocivo para quem seja de senhorear ânimos portugueses!” Berço abençoado!
Era a comunhão entre Rei e Povo, represtinada dos primórdios da humanidade que começou por se organizar sob o modelo da Monarquia, o Elo natural que só as revoluções de uma minoria que se apropriou dos meios de força e coacção conseguiu quebrar.
(...)
Este louvor popular é a prova que a História dos últimos 104 anos tão faltado tem à Verdade, transmudada pela pena dos subjugadores, distorcida pela vontade dos caluniadores! Só esses são os nossos inimigos, pois enquanto um Rei encarna a História os políticos têm de a reescrever.
Miguel Villas-Boas 

terça-feira, 7 de abril de 2015

Um passado que nos acrescenta e consolida, e uma democracia que nos atualiza


 

 Sou monárquico pela razão, pela esperança, pela certeza que acompanha o seu restabelecimento. Razão na decisão, esperança na vontade,  certeza em Portugal. Associo a monarquia à defesa dos valores mais altos, à defesa da liberdade sobre as opressões, à defesa da soberania sobre as ingerências, à defesa da pessoa sobre interesses sem rosto. Associo a monarquia a um sistema político de liberdade democrática, com tanto espaço para a alternativa como para o consenso. Posto o que temos vivido e aprendido, tenho confiança na nossa história. O futuro tem um passado, um passado que nos acrescenta e consolida, e tem uma democracia que nos atualiza.



sábado, 4 de abril de 2015

Estação

A maior desgraça do mundo é sermos tão desatentos à graça divina (D.Manuel Clemente)

sexta-feira, 3 de abril de 2015

O sentido social da monarquia foi e é, desde sempre, para o desenvolvimento humano e social

 
O rei sempre foi a última instância de apelo para que Justiça fosse feita, sempre os monarcas edificaram 

instituições para o desenvolvimento humano, hospitais, escolas, universidades, academias, o parlamento, a 

constituição, a democracia... De onde nos chegaram estas instituições senão da monarquia? 

@Caderno Monárquico

Efeméride

«(...) se com devida atenção quisermos considerar, os extremos da nossa composição com passo de tão desvariados membros, o número e ordem de tantas potências poderemos manifestamente conhecer que nos deu a natureza em nós mesmos não somente a mostra de suas grandes maravilhas mas ainda um copioso e expresso regimento para o governo de nossas vidas, porque quem bem discutir, e especular, o assento tão firme dos pés o artificio tão grande sobre eles edificado, o foro do corpo tão robusto e largo; a lonjura dos braços, o engenho e subtileza das mãos, as luzernas dos principais sentidos postos em a cabeça como em atalaia de todo o corpo verá evidentemente como em nós estão traçados os fundamentos e princípios de toda a prudência humana, e governo da boa e perfeita república, verá como digo em nós desenhada uma república sobre todas mais excelente que é o reino ajuntado de muitos e desvairados estados (...)»

Francisco de Melo na abertura das Cortes de Évora, Domingo dia 13 de Junho de 1535 (D.João III)